Fale Conosco
Para enviar uma sugestão
clique aqui
| Home | Cartas | Economia & Política | Educação & Cultura | Educação Sexual | Geral | Turismo | Saúde & Beleza |
| Pontos & Reticências | Empresas & Negócios | Anúncios & Comunicados | Meio Ambiente | Esportes | Humor | Cidades |
| Literatura | Profissões | Comunidades | Rotary | Defesa Nacional | Vídeos | Tudo | Contato | Links |
Sorocaba
Brigadeiro Tobias, um bairro esquecido de Sorocaba!
Plano Diretor: interessa a todos!
"Salve-se quem puder"
Povo discriminado!
Mão de Obra para Construção Civil
História de Sorocaba
Toyota Sorocaba
Presídio para homens: A construção começou ...
Reivindicações de Brigadeiro Tobias XIV
Reivindicações de Brigadeiro Tobias XIII
Cursos e serviços nas Casas do Cidadão
Reivindicações de Brigadeiro Tobias XII
Pavimentação
Reivindicações de Brigadeiro Tobias XI
Núcleo de Gerenciamento de Resíduos Eletrônicos
Parque Tecnológico
Regularização Fundiária "Casa Legal"
Reivindicações de Brigadeiro Tobias X
Atrações para o Natal de 2011
+ Veja mais
Passeio Histórico no Cemitério de Sorocaba
Os mortos não morrem quando morrem; morrem quando são esquecidos
05/07/2009   
A Prefeitura de Sorocaba, por meio da Secretaria da Cultura (Secult), promoveu mais uma vez, neste sábado 04 pp., o Passeio Histórico no Cemitério. A realização foi da Biblioteca Infantil e do Museu Histórico Sorocabano e acontece todos os meses. A visita a cemitérios é aberta a interessados acima de 14 anos.

Neste mês, o local escolhido foi novamente o Cemitério da Saudade. O motivo de repetir o mesmo passeio foi o de atender ao grande número de interessados que não puderam participar do último evento. Lá, as pessoas receberam informações culturais sobre o local, bem como curiosidades e fatos que contam a história da nossa cidade», explicou o secretário Anderson Santos.

O cemitério foi inaugurado em 1863, no mesmo local que abrigou a forca em Sorocaba, no século XIX. Aquela área foi ainda um ponto de passagem de tropas de muares.

Visita em Cemitérios

A visita monitorada em cemitérios já é um costume em várias cidades da Europa, Estados Unidos, Colômbia e Argentina. O cemitério «Père Lachaise», de Paris, recebe milhares de visitantes ao ano, assim como o «Recoletta», de Buenos Aires, e o «Highgate», de Londres. Este último, por sinal, é particular e com cobrança de ingresso para turistas.

Visitar um cemitério antigo, como o de Sorocaba, permite avaliar diferentes informações: desde a histórica referente aos túmulos mais antigos e personagens ligados à cidade, passando pelo étnico-genealógico, através da observação das inscrições, sobrenomes e famílias.

É possível ainda esboçar a formação do povo sorocabano, o lado religioso, a expressão dos símbolos, inscrições e imagens de várias épocas. Além do lado econômico e social presente nas dimensões, materiais utilizados, acabamentos e localização dos túmulos, há também o lado artístico – que é o tema do passeio – através do destaque e interpretação das imagens, símbolos e apresentações físicas dos túmulos.

Os participantes do «Passeio Histórico no Cemitério» ganharão uma pequena apostila, onde destacam-se um breve histórico dos sepultamentos através dos tempos e os primeiros cemitérios de Sorocaba, incluindo o dos indígenas, o das igrejas, o primeiro dos protestantes no Brasil, além dos diferentes cemitérios da atualidade.

O passeio é gratuito. Outras informações pelo telefone 3231.5723.

Os Primeiros Cemitérios de Sorocaba

"Os mortos não morrem quando morrem; morrem quando são esquecidos." (Inscrição em lápide no Cemitério da Saudade)

Até o século XIX, os sepultamentos em Sorocaba eram feitos nas igrejas. Foi Baltazar Fernandes, fundador da cidade, quem erigiu a primeira igreja, dedicada a Nossa Senhora da Ponte, a atual Igreja de Sant'Anna, junto ao Mosteiro de São Bento. A finalidade era de servir de amparo espiritual, abrigo e sepultura dos primeiros habitantes.

Na Igreja de Sant’Anna estão sepultados Baltazar Fernandes, Paschoal Moreira Cabral (o pai), e Frei Baraúna. As outras igrejas que foram aos poucos sendo erguidas: Matriz (1667), Penha (1690), Santo Antônio (1752) - não a atual, mas a que existia em frente ao Mercado Municipal -, Aparecidinha (1785), Santa Clara (1811) - na esquina das ruas São Bento e Padre Luiz - serviram de local de sepultamento interno e externo.

Muitas delas tinham suas Irmandades, que dispunham de altares laterais para São Miguel, Almas, Santíssimo, das Dores, Nossa Senhora do Rosário e dos Homens Pretos. Muitos foram sepultados junto ou próximos a estes altares.

O entorno das igrejas também era utilizado para sepultamentos. Em 1819, o Mosteiro de São Bento doou o terreno ao lado da igreja, atual Praça Carlos de Campos, para o primeiro cemitério ao céu aberto. O local era fechado com grades e tinha uma capela dedicada à Santa Cruz. Era também conhecido como «Cemitério dos Bexiguentos», na época da epidemia da «cólera morbus». Este cemitério foi utilizado até 1863. No ano seguinte, Frei Baraúna, beneditino, pede o terreno de volta, permanecendo apenas a capela que, com o tempo, também desapareceu.

Próximo a esse local, fora do cemitério, foi sepultado João Peão, figura temida da segunda metade do século XIX, com muitos crimes cometidos. O local foi marcado com uma cruz onde muitos acendiam velas para as almas.

Cemitério da Saudade

Com o aumento da população e o perigo das doenças rondando a cidade, foi orçada em 1855 a construção de um grande cemitério no campo do Piques. O local era longe da cidade, em área alta, sem riscos de contaminação de rios e dos perigosos 'miasmas' dos coros em decomposição.

Em 31 de janeiro de 1863 o Cemitério ficou pronto e com Regulamento. Ele era fechado na frente com muros de taipa e cercado por grades fabricadas em Ipanema. Os locais das sepulturas eram sinalizados com tijolos numerados. Os primeiros coveiros foram Antonio Lacerda e Benedito Brisola e o administrador, João Martins da Costa Passos. O Primeiro sepultamento ocorreu em 18 de maio de 1863. O terreno do cemitério naquela época era a metade do que ocupa hoje: ele ia da Capela Central até a Rua Princesa Isabel. Em 1942 o Cemitério foi ampliado até a atual Praça Pedro de Toledo.

A área interna do Cemitério da Saudade era dividida em setores próprios para sepultamento de «anjinhos». Isto é, crianças até 12 anos, escravos, virgens, adultos e vítimas da febre amarela. Era administrado em conjunto pela Câmara Municipal (antiga Prefeitura) e Igreja. Em 1872, um grupo de protestantes requereu e conseguiu espaço dentro do cemitério, nas quadras 15 a 17.

O cemitério Protestante de Ipanema foi o primeiro da América do Sul (1811). Posteriormente, surgiram os cemitérios de Aparecidinha (1901), Consolação (1938), Pax (1968) - este último já seguindo o modelo americano de jardim-cemitério, sem o uso de túmulos aparentes - Santo Antônio (1990) e Memorial Park (2005) - este com crematório.

Forca

O Largo do Piques ficava no alto de Sorocaba, além do rio Supiriri, a quase meia légua da igreja matriz. Serviu, desde 1840, como local para as tropas de muares. Ali foi instalada uma forca, onde sete escravos condenados por crimes foram mortos. A população assistia à cerimônia, onde os senhores levavam seus escravos. Após o enforcamento, um médico atestava a morte. A forca permaneceu no local por muito tempo.

Os últimos três escravos a serem enforcados pertenciam à família de Dona Gertrudes Eufrosina de Aguirre, mãe do Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar. Condenados por matarem o feitor da Fazenda Passa-Três, no Natal de 1841, foram julgados e mortos em abril de 1842.


fonte: Prefeitura de Sorocaba - Secretaria de Comunicação
tels: (15) 3238-2498 / 2497 / 2496 / 2495
Larissa Tannus Gallep
LGallep@sorocaba.sp.gov.br











| Cartas | Economia & Política | Educação & Cultura | Educação Sexual | Geral | Turismo | Saúde & Beleza |
| Pontos & Reticências | Empresas & Negócios | Anúncios & Comunicados | Meio Ambiente | Esportes | Humor | Cidades |
| Literatura | Profissões | Comunidades | Rotary | Defesa Nacional | Vídeos | Tudo | Contato |

A V V
Comunicação & Marketing Ltda
Jornal da Paulista Email:jornaldapaulista@gmail.com
 

© Copyright Mexma - Webdesign 2005-2014 Todos os direitos reservados